O que fazemos

 
 
 


CIRURGIA DA VESÍCULA BILIAR

A Vesícula Biliar
A vesícula biliar é uma estrutura anatômica semelhante a um "saquinho" em formato de pêra, que contém no seu interior um líquido esverdeado chamado bile. Esta é produzida no fígado e segue por um canal para uma parte do intestino chamado duodeno, onde atua ajudando a digestão das gorduras. A vesícula encontra-se perto deste canal unida à ele por um ducto chamado ducto cístico. Ela não produz a bile , somente a armazena , guardando uma reserva de bile para períodos de maior necessidade.

Os Cálculos Biliares
São formações semelhantes às “pedras“ de vários formatos, cores e tamanhos que se formam dentro da vesícula por precipitação dos compostos químicos presentes na bile. Podem ocorrer devido a modificação químicas na concentração dos componentes da bile ou secundários à presença de bactérias e outros materiais capazes de provocar irritação na parede interna da vesícula. Neste caso os cálculos se formam de maneira semelhante ao que ocorre com o crescimento das pérolas nas ostras. A bile forma cálculos em torno do “material estranho” no caso as bactérias.

Como os Cálculos Biliares Podem Prejudicar as Pessoas?
O cálculo pode ficar “silencioso” dentro da vesícula sem provocar sintomas atuando como uma “bomba relógio” que pode "explodir" a qualquer momento. O paciente pode apresentar somente sintomas leves como enjôo, dificuldade de digestão e desconforto após alimentações gordurosas. Porém quando os cálculos obstruem o ducto cístico (canal que liga a vesícula ao canal principal) provocam dores fortes na parte alta do abdome (cólicas biliares). Se estas dores não melhoram com medicamentos o paciente deverá ser operado de urgência devido a uma inflamação aguda da vesícula.

Se as pedras obstruem o canal principal (que liga o fígado ao intestino) provocam acúmulo da bile causando icterícia, doença que dá aos olhos e a pele a cor amarelada. Esta pode vir acompanhada de infecção e até septicemia (infecção generalizada). Durante a passagem pelo canal principal, as cálculos podem obstruir o canal do pâncreas causando a pancreatite aguda , doença às vezes, de difícil controle.

Cirurgia da Vesícula Biliar: Colecistectomia. Vídeolaparoscópica.
A cirurgia da vesícula consiste na sua retirada . Se somente os cálculos são removidos, voltam a se formar, porque a vesícula está doente e se transformou em uma formadora de cálculos. Na cirurgia videolaparoscópica não é utilizada a incisão comum (corte cirúrgico). São quatro pequenas punções para a utilização instrumentos muito delicados usados para fazer a cirurgia . O paciente permanece no hospital somente um dia e raramente são necessários drenos e sondas.

As vantagens são: pouca dor no pós operatório, a alta precoce, melhor resultado estético e retorno quase imediato às atividades cotidianas.

Principais Perguntas de Pacientes:

È possível viver normalmente sem a vesícula biliar?
Sim. A bile que é produzida pelo fígado continua a passar pelo canal principal ao intestino para atuar na digestão. Após um período de adaptação a pessoa pode viver normalmente e comer de tudo, como se nada houvesse acontecido.

Como a vesícula que mede aproximadamente oito centímetros pode sair por um orifício de um centímetro durante a cirurgia laparoscópica?
A vesícula contem um líquido que é a bile. Quando ele é aspirado o órgão fica vazio e facilmente sai pelo orifício do trocater . Uma comparação: Um balão de gás cheio não atravessa um orifício de um centímetro. Porém se esvaziado, o ultrapassa com facilidade.

A cirurgia laparoscópica da vesícula dói?
Muito pouco. A maioria dos pacientes relata pouca dor quando acorda da anestesia e um discreto desconforto no período que se segue. Normalmente duas horas após a operação o paciente está muito bem e quase sem sentir nada. Alguns pacientes tem maior sensibilidade que outros, porém a dor pós- operatória é facilmente controlada com medicamentos.

Quanto tempo após a cirurgia posso voltar a trabalhar e começar a fazer exercícos físicos?
Geralmente a internação é de um dia. O ideal é voltar ao trabalho após uma semana. Porém, em alguns casos, o paciente poderá iniciar trabalhos leves após três dias da operação. Exercícios físicos moderados devem ser inicados após um mês de pós-operatório.


Quais as recomendações para o pós-operatório?
O ideal é seguir o seguinte cronograma, começando a contagem no dia da operação:

1- Segundo dia: dieta líquido- pastosa: sopas, purês, canjas magras,sucos naturais, gelatinas e geléias etc. sem gorduras e condimentos.

2- Terceiro dia: dieta branda (legumes cozidos, grelhados, purês, arroz) sem gorduras e condimentos.

3- Durante um mês: dieta caseira normal evitando frituras de imersão, ovos, chocolate e alimentos ricos em gorduras.

4- Após trinta dias: nenhuma restrição alimentar.

5- Durante quinze dias, não dirigir automóvel.

6- Durante quinze dias, evitar atividade sexual.

7- Após um mês: iniciar exercícios físicos leves como.
Por exemplo: caminhar no distancias maiores e nadar.

8- Após dois meses: Exercícios moderados como.
Por exemplo: hidroginástica, alongamentos, pilates.

9- Após três meses: qualquer atividade física.

<VOLTAR